Transição energética no Brasil: um cenário compatível com o acordo de Paris para o setor de transportes até 2050

A transição de um caminho de desenvolvimento intensivo em carbono para uma economia de baixo carbono requer a compreensão das fontes de emissão e suas causas. Para alcançar a meta de 1,5°C estabelecida no Acordo de Paris, os países devem desenvolver estudos que não apenas façam estimativas com base em dados históricos de emissões de GEE e consumo de energia, mas também projeções considerando diferentes níveis de ambição e comprometimento político. Este artigo político fornece cenários de uso de energia e emissões de GEE do setor de transporte até 2050, considerando os compromissos nacionais do Brasil e sua ação climática. Dois cenários são desenvolvidos com base em diferentes níveis de comprometimento governamental. Os resultados mostram que, se o Brasil seguir metas de mitigação bastante ambiciosas e concretas, é possível reduzir as emissões do ano de 2050 em até 25% em relação aos níveis de 2005 (contra um aumento de 101% no cenário conservador). Além disso, a análise de custos aponta que as eletrificações de carros, caminhões e ônibus são ações de mitigação com perspectivas interessantes para 2050. No entanto, barreiras relacionadas ao financiamento, modelos de concessão, normas e regulamentações para novas tecnologias e modelos de negócio precisam ser superadas.

Acesse o documento em português

Acesse o documento em inglês

Acesse o vídeo explicativo

Application Guide: A path to sustainable logistics

This Application Guide: A Path to Sustainable Logistics seeks to fill a gap noticed long ago, which is presenting effective cases of practical application in which the performance of one of the most important logistics activities, freight transport, is assessed not only from a costs and level of service perspective, which is the usual approach and is limited to the economic and financial aspects, but also from an environmental and, whenever possible, a social perspective.

Expanding the scope of assessing the performance of freight transport under a sustainability perspective has long ago stopped being desirable and has become mandatory. It represents society’s commitment to minimizing and/or eliminating the social and environmental impacts caused by economic activities and guaranteeing the survival of these activities in harmony with the environment.

The cases presented here summarize part of the last ten years of activities carried out by researchers of the Freight Transport Laboratory (LTC), reference in the training of professionals of different levels ranging from undergraduate courses to master’s and doctorate courses, culminating in post-doctoral courses. LTC is a laboratory linked to the Transport Engineering Program (PET) of the Alberto Luiz Coimbra Institute for Graduate Studies and Research in Engineering (COPPE) of the Federal University of Rio de Janeiro (UFRJ), a renowned education and research institution in Brazil and worldwide.

As shall be presented, the reports presented here successfully represent the collaboration between the academy and the private sectorand show that the challenge of considering sustainability in the assessment of logistics performance may be overcome with very good results, serving as an example to those that still intend to carry it out. Do not miss the opportunity of improving your knowledge on this topic!

Acesse o documento na íntegra

Guia para Inventário de Emissões – Gases de Efeito Estufa nas atividades logísticas

Esta publicação busca preencher uma lacuna de conhecimento relacionada aos conceitos, definições, metodologias, procedimentos e ferramentas de apoio a elaboração de inventários de emissões de gases de efeito estufa (GEE) com enfoque nas atividades logísticas, em particular no transporte de carga. Também e apresentada uma relação das instituições e iniciativas nacionais e internacionais devotadas ao tema, que tem apresentado interesse crescente por instituição públicas e privadas.

Acesse o documento na íntegra

Transportes no Brasil – Panorama e Cenários Prospectivos para atendimento da Contribuição Nacionalmente Determinada

Assegurar a sustentabilidade da mobilidade de pessoas e cargas é um desafio crucial para todo o mundo nas próximas décadas. Um passo importante foi dado no estabelecimento de metas de Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC, na sigla em inglês), sendo a brasileira uma das mais ambiciosas, visando reduzir em 37% as emissões de gases de efeito estufa (GEE) até 2025 e 43% até 2030, em comparação aos índices de 2005.
Desta forma, o desenvolvimento de novos cenários de descarbonização das atividades econômicas no Brasil ajuda a decidir como adotar e revisar estratégias ambiciosas para manter as emissões de GEE alinhadas com o objetivo do Acordo de Paris, buscando manter o aquecimento global abaixo de 2°C e idealmente abaixo de 1,5°C, em relação ao período pré-revolução industrial. Isto posto, o estudo explora a abordagem mais detalhada disponível para estabelecer uma linha de base (1970-2018) e projetar cenários futuros até o ano de 2030 para atendimento da NDC brasileira quanto ao consumo energético e as emissões de GEE do setor de transporte.

Acesse o documento na íntegra

Ônibus elétricos a bateria (Plug-in)

Uma primeira avaliação da viabilidade econômica e do impacto na tarifa para o uso nas cidades brasileiras

Este estudo teve como objetivo simular (com dados coletados em campo e pesquisa de mercado) a viabilidade econômica e o impacto na tarifa com o uso de ônibus elétricos em cidades de pequeno, médio e grande porte. Considerou-se a simulação do CAPEX (custos de capital) e OPEX (custos operacionais) para três cenários: (1) retrato atual das cidades brasileiras; (2) cenário com frota qualificada utilizando ônibus equipados com motores do ciclo Diesel e (3) cenário com frota qualificada que utiliza sistema de propulsão elétrico. Além disso, o modelo foi estruturado com base no Método GEIPOT adaptado para a operação de ônibus elétricos, incluindo ajustes como as despesas com aquisição de carregadores e coeficientes para custos específicos da nova tecnologia.

Acesse o documento na íntegra

Guia de Referência: Uso de Energia Eficiente na Mobilidade Urbana – UEEMU

Este Guia foi desenvolvido com o objetivo de orientar profissionais, técnicos e gestores, da área de transporte e mobilidade urbana, nas esferas públicas municipais e estaduais, no planejamento e na implantação de políticas, ações e projetos que tenham como foco o aumento da eficiência energética na mobilidade urbana dos municípios brasileiros. Sendo assim, também é aplicável na atuação de outros órgãos do poder público, do setor privado e da sociedade civil envolvidos na gestão da mobilidade urbana.

Acesse o documento na íntegra

Cenários prospectivos futuros para o uso de energia em transportes no Brasil e as emissões de GEE. Cenário Business as Usual – 2050

Este estudo pretende dar início a uma série de publicações, em que são apresentados cenários prospectivos para o setor de transportes. O objetivo desta primeira edição foi construir e apresentar o Cenário Business as Usual (BAU), que envolve o transporte de passageiros e de carga, considerando apenas os deslocamentos domésticos brasileiros. O estudo tem como objetivo ilustrar o efeito da evolução tendencial do setor de transportes na demanda de energia, em particular no que se refere aos combustíveis fósseis e, consequentemente, nas emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE). Visa, portanto, auxiliar na tomada de decisão sobre as estratégias para mitigar as emissões de GEE, apresentando-se como um instrumento de fundamental importância para a elaboração de diretrizes para ações na área energética.

Acesse o documento na íntegra

Future prospective scenarios for the use of energy in transportation in Brazil and GHG emissions. Business as Usual (BAU) Scenario – 2050

The study aims to illustrate the effect of the development trend of the transportation sector on energy demand, particularly regarding fossil fuels and, consequently, Greenhouse Gas (GHG) Emissions. It, therefore, intends to support decision-making concerning strategies to mitigate GHG emissions. It is an instrument of fundamental importance in developing guidelines for actions in the energy sector covering economic, financial, social, environmental, institutional, technological and human resources aspects and the interconnection between them.

Acesse o documento na íntegra

Guia de Referências em Sustentabilidade: Boas Práticas para o Transporte de Carga

Este documento é a primeira publicação do Programa de Logística Verde Brasil (PLVB) e apresenta os resultados da conciliação das abordagens teórica e prática para uma pesquisa sobre sustentabilidade em logística. Nele foi realizado, em paralelo, uma revisão bibliográfica e uma pesquisa documental para a identificação das boas práticas para o transporte de cargas e dos aspectos, atributos, indicadores e medidas para avaliação de seu desempenho. A partir da colaboração de instituições públicas e privadas que atuam no setor de transporte e logística (stakeholders) no Brasil e no mundo e das Empresa Membro do PLVB, foi possível consolidar informações, que contribuíram na elaboração deste guia, que apresenta uma relação de 22 boas práticas para o transporte de carga capazes de promover impactos positivos em relação aos aspectos econômicos, ambientais e sociais simultaneamente, potencializando a sustentabilidade ambiental do transporte de carga como função logística.

Acesse o documento na íntegra

Manual de Aplicação: Boas Práticas para o Transporte de Carga

O sistema logístico pode considerar a atuação de diferentes agentes, tais como o transportador, o operador logístico, o embarcador, o poder público e a sociedade organizada. O desempenho do sistema logístico pode ser avaliado sob o ponto de vista destes diferentes agentes e pode considerar os aspectos econômicos, ambientais e sociais. Portanto, esta segunda publicação do PLVB, o Manual de Aplicação: Boas Práticas para o Transporte de Carga, busca orientar as Empresas Membro do PLVB quanto à escolha, aplicação, avaliação e relato das Boas Práticas estabelecidas no Guia de Referências em Sustentabilidade. Boas Práticas para o Transporte de Carga, por meio da aplicação de um procedimento estruturado. Tal procedimento considera as atividades que envolvem o transporte e a movimentação de carga, visando todos os modos de transporte.

Acesse o documento na íntegra

Guia de Aplicação: um caminho para a logística sustentável

Este Guia busca preencher uma lacuna identificada na pesquisa sobre sustentabilidade em logística no Brasil e a apresentação casos efetivos de aplicação prática, em que o desempenho da atividades logísticas de transporte de carga é avaliado não apenas sob a ótica do custo e do nível de serviço, mas considerando também o aspecto ambiental e, sempre que possível, o social. Ampliar o escopo da avaliação de desempenho do transporte de carga, considerando a ótica da sustentabilidade é uma prática que há muito tempo deixou de ser apenas desejável e passou a ser obrigatória. Portanto, os casos aqui apresentados sintetizam uma parte dos últimos dez anos de atividade de pesquisadores da academia em colaboração com a iniciativa privada, e demonstram que o desafio de considerar a sustentabilidade na avaliação de desempenho logístico pode ser vencido com bons resultados.

Acesse o documento na íntegra

Guia de Excelência em Sustentabilidade: Boas Práticas para o Transporte de Carga

Consolidando mais uma etapa de atuação do Programa de Logística Verde Brasil (PLVB), o conteúdo do Guia de Excelência em Sustentabilidade: Boas Práticas para o Transporte de Carga demonstra, na prática, o potencial desenvolvido pelas Empresas Membro quanto ao aprimoramento da eficiência e da sustentabilidade aplicados à logística e ao transporte de carga. Tendo como base as 22 boas práticas apresentadas no Guia de Referência em Sustentabilidade: Boas Práticas para o Transporte de Carga e a sua adição, por meio do Manual de Aplicação: Boas Práticas para o Transporte de Carga, os relatos aqui apresentados demonstram que a maior parte delas (16 das 22) são adotadas e apresentam resultados bastante significativos quanto a uma redução satisfatória do consumo de energia, da emissão de gases de efeito estufa (GEE) e de poluentes atmosféricos, sem comprometer custos operacionais e nível de serviço.

Acesse o documento na íntegra